Seguro de Vida em Grupo

Um dos primeiros seguros de vida feitos no Brasil tinha como objetivo garantir aos senhores de engenho indenizações pela morte dos seus escravos. Esses senhores usavam essas indenizações para comprar novos escravos e manter a sua força de trabalho sempre equilibrada.

Nos dias atuais o objetivo principal desse seguro é de assegurar à família a mesma qualidade de vida que era garantida pelo seu provedor em vida. Além disso, o seguro deve garantir a dignidade dessa família quando seu provedor, e ao invés da morte, for surpreendido por uma invalidez que o induza a uma vida vegetativa e extremamente cara para ser suportada pelos seus dependentes. A redução ou eliminação da renda, que costuma ocorrer nessas situações, agrava ainda mais o sofrimento dessas famílias.

A moderna e barata cobertura para serviços funerais, possível de ser incluída nos seguros de vida, pode assegurar um final digno para o provedor e também para cada um dos seus dependentes, e isso evita que os menos favorecidos deles tenham que se expor às constrangedoras listas solidárias para garantir os custos do funeral de um ente querido. Isso quando o problema não é levado para a empresa.

A falta de uma política empresarial para infortúnios dessa natureza tem levado com frequência os administradores desse público a buscar atendimento nas soluções pontuais, nem sempre estruturadas, e essas soluções quase sempre são muito caras e difíceis de serem repetidas em sua integra numa próxima situação, ferindo os princípios isonômicos que devem primar à gestão harmoniosa de grandes efetivos.

O interessante é que uma solução para esses infortúnios, quando estruturadas como parte de uma política para o benefício seguro de vida, contribui para a melhoria da satisfação dos usuários e também reduz e limita os custos gerados com esses processos.

Saindo do município de São Paulo onde os custos com funerais são patrocinados pelo município, as pessoas precisam pagar essas contas, e justamente por isso e pelo medo do futuro, é que tem proliferado um negócio chamado “plano funeral”, que vende produtos sem reserva técnica, e sem escrúpulos comerciais, e que, na maioria dos casos, entregam o pior pelo maior custo.

Em nossas implantações de benefícios encontramos com frequência, no efetivo de colaboradores das empresas, numero expressivo de consumidores desses produtos, a maioria pessoas de baixa renda e que, para não ter que suportar constrangimentos nesses momentos difíceis da vida, assume carnês pagos pontualmente, com prestações de R$ 25,00 até mais de R$ 50,00, dependendo da qualidade dos serviços e do número de dependentes envolvidos. O seguro de vida pode permitir o acesso a planos muito superiores a esses e ainda garantindo indenizações para morte (titular e cônjuge) e invalidez (titular), e tudo isso até por um décimo desses valores.

A Única conta com equipe especializada e que estará a sua disposição para estruturação de soluções adequadas aos interesses da empresa.