Seguro Saúde Empresarial

Quando se avalia a possibilidade de oferecer um plano de saúde aos funcionários de uma empresa, é preciso ter uma noção segura do que se busca e para quem se busca. É preciso entender as diferentes necessidade e capacidade financeira dos vários níveis e das várias regiões que compõe a força de trabalho das empresas, é preciso pensar nos modelos que melhor atendam os anseios de cada divisão desse público.

Nesse processo é fundamental conhecer todos os modelos que encerram o sistema de saúde suplementar, e ter um mínimo de entendimento das virtudes e dos defeitos de cada um desses modelos (convênios, planos, seguros, cooperativas e autogestões); conhecer as características essenciais e a qualidade das diversas operadoras em cada um dos modelos; entender os conceitos elementares que definem a precificação; as regras da mutualidade que orienta a evolução dos preços; as possibilidades e limites, comerciais e técnicos, do mercado para os diferentes modelos de produtos e de contratação (adesão ou compulsório); contar com experiência e habilidade necessária para as negociações com as seguradoras e operadoras consultadas; ter definida a forma de patrocínio (contributário e não contributário); entender a dispersão geográfica da população e dos limites que ela pode impor no atendimento universal da população; perceber oportunamente as vantagens dos fatores de moderação no controle da sinistralidade e do absenteísmo; entre outras.

Implantação do Benefício

A implantação prescinde de uma política definida para o benefício e o que se busca com essa política. É importante que a implantação ocorra em pelo menos três níveis:

1) Representado pelos gestores de recursos humanos, entendidos com tal todos aqueles que têm grupos de subordinados, o não entendimento claro da política e do benefício por essas pessoas pode comprometer o sucesso esperado pelo benefício.

2) Representado pelos usuários dos planos, principalmente os funcionários. Para estes precisa ficar bem claro a importância do benefício; a forma de acesso e os caminhos para resolução eventuais e possíveis de dificuldades nesses acessos; a disciplina necessária nas utilizações; os limites de coberturas; os custos que serão bancados por ele (nas mensalidades e/ou nos fatores de moderação).

3) Representado pelos administradores do processo, que precisam entender a forma de suprir os sistemas de movimentações (inclusão, exclusão e alterações) e os controles dos descontos e das faturas mensais.

É importante definir modelos de apresentação para cada grupo, com uso de recursos audiovisuais, e que sejam feitas em ambientes apropriados ao entendimento de todos os envolvidos. Essas apresentações precisam ser definidas previamente e em conjunto com a empresa, a seguradora e a corretora, de sorte a assegurar que todos os recados estejam sempre de acordo com a tecnicidade implícita e os objetivos estabelecidos.

Gestão operacional

É um benefício nervoso, visto que trata cotidianamente a dor, sofrimento e a pressa, e nem sempre o sistema tem a fluidez e a pontualidade esperada pelos usuários, isso ocorre principalmente pela complexidade dos processos e das empresas e pessoas envolvidas nesse atendimento. A dinâmica dos relacionamentos com a rede e da própria estrutura da rede, exige constantes reciclagem nas pontas de atendimento e até monitoramento desses atendimentos. É preciso aportar atendimento competente de pós venda, através das corretoras, para comprometer a qualidade e aliviar a gestão de recursos humanos da operacionalização do benefício.

O atendimento aos usuários requer uma gestão eficaz das ocorrências, um descuido dos atestados pode piorar os índices de absenteísmo; abuso nas solicitações de exames pode encarecer os planos; desprezo dos tratamentos crônicos pode agredir a sinistralidade; procedimentos exóticos, experimentais e caros podem remunerar bem o médico e não trazer benefícios na mesma intensidade; o mapeamento da população pode indicar ações qualificadoras do risco da saúde; a análise das bases de dados podem sinalizar ações gerenciadoras, enfim saúde precisa de muita administração e, em muitos casos, é preciso contar com experiência e competência médica especializada, capaz de auditar contas avaliar procedimentos alternativos, entre outras possibilidades.

A Única conta com equipes especializadas em cada etapa desse processo, e pode até disponibilizar equipes medicas quando a necessidade justificar.