Seguro de Frotas

Nos países grandes consumidores de seguros, os compradores costumam valorizar muito a quantidade e a qualidade dos serviços aportados pelas seguradoras em cada um dos seguros que contratam. No Brasil esse conceito foi iniciado com os seguros de automóveis, quando as seguradoras passaram a oferecer junto com os seguros serviços de socorro mecânico, guinchos para resgate, carros reservas, entre outros. Em seguida foram os seguros residenciais que passaram a disponibilizar também serviços como chaveiros para perdas de chave, encanadores para emergências hidráulicas, eletricistas para panes elétricas, hoje até concerto para computadores estão contemplados em alguns dos seguros residenciais oferecidos pelo mercado.

As seguradoras do mercado têm nos custos das reparações dos veículos acidentados, dos seus segurados ou de terceiros deles, o maior risco do seu negócio, e não é por menos que eles aportam nisso o máximo das suas competências. Algumas dessas seguradoras administram frotas superiores a 1.000.000 de unidades seguradas, e nenhuma empresa nacional tem frota próxima desse universo. Isso atesta o diferencial de qualidade possível entre a contratação dos seus serviços através dos seguros, diante de alternativa de internação das atividades reparadoras.

Essas seguradoras avaliam com muita eficácia uma infinidade de oficinas reparadoras, quase sempre dispersas por quase todo o território nacional, e as seguradoras fazem isso com objetivo de assegurar uma rede confiável para o atendimento dos seus segurados. Esses credenciados são avaliados sistematicamente, e a cada nova utilização, e na manutenção de indicadores eficazes reside a condição da continuidade do vínculo com essas reparadoras. Os volumes dos negócios que são levados pelas seguradoras para essas reparadoras, faz com que sejam exclusividade dessas seguradoras desfrutarem dos menores preços possíveis de peças e de serviços.

As equipes de reguladores, aqueles profissionais que negociam com as oficinas, contam com profissionais muito bem selecionados, treinados e reciclados com frequência, esses profissionais são supridos como informações atualizadas sobre os preços das peças e dos serviços praticados por todas as montadoras e importadoras em operação nosso país. E eles se obrigam a uma rígida disciplina de processos e a um nível definido de reportes, que aportam segurança aos limites de custos envolvidos e qualidade dos serviços executados.

Os gestores de frota devem ter muita dificuldade para definir a estrutura de oficinas necessária para ao atendimento das suas demandas futuras e incertas, talvez por isso devem convier com momentos de oficinas vazias, e carregando os custos dessa ociosidade, com alternância de situações de atraso nos reparos dos veículos, provocados por sobrecarga dessas oficinas. As oficinas próprias precisam manter estoques de peças, se não por economia, mas certamente por estratégia, e esse estoques ocupam espaços, gestão e dinheiro. Lembrando que a incerteza do risco pode implicar em custos maiores do que a linearização das despesas com seguros.

Quando um veículo é sinistrado fora da cidade onde está a sede da empresa, isso pode ocorrer fora do estado e até mesmo do país, às alternativas que se têm é de trazer o veiculo para a sede, envolvendo os custos e as preocupações logísticas, ou providenciar o reparo numa oficina regional mais próxima do local do sinistro, mas que assegure um mínimo de confiança técnica e moral. Mas como avaliar essa oficina? As seguradoras já avaliaram, e vão ter um regulador de sua confiança negociando os preços e acompanhando os serviços até a entrega responsável do veículo reparado, e o melhor é que tudo isso será pago integralmente pela seguradora, protegendo assim o caixa do frotista. Não podemos desconsiderar ainda os custos jurídicos e indenizatórios que podem representar as reclamações de perdas de terceiros, que, com os seguros, são transferidos integralmente para as seguradoras.

Quando se pensa num seguro pleno de automóveis, protegendo a frota e os terceiros envolvidos, a primeira impressão é de que o preço do seguro representa para o frotista uma desfavorável relação de custo x benefício, entretanto, e quando se formata o seguro com um plano de coberturas e de serviços que atenda as necessidades específicas do frotista, e ainda, quando se ajusta os limitadores do seguro (carências e franquias), ao apetite de risco do frotista, os seguros podem ser uma excelente solução de custos, qualidade e velocidade de execução.

A Única tem uma equipe especializada nas práticas de Gerenciamento de Riscos, e que estará a sua disposição para as orientações necessárias para a percepção das vantagens e para formatação de soluções adequadas às necessidades e interesse da empresa.